terça-feira, 8 de abril de 2014

Papa na missa da manhã: “A Cruz não é um enfeite”

“Não existe cristianismo sem Cruz”. É o que afirmou o Papa na missa da manhã desta terça-feira, 8, na Casa Santa Marta. O Pontífice ressaltou que “não há possibilidade de sairmos sozinhos de nossos pecados” e reiterou que “a Cruz não é um enfeite para ser colocado no altar, mas o mistério do amor de Deus”.
Em caminho no deserto, o povo murmurava contra Deus e contra Moisés, mas quando o Senhor mandou as serpentes, o povo admitiu seu pecado e pediu um sinal da salvação. O Papa Francisco se inspirou na primeira leitura, extraída do Livro dos Números, e refletiu sobre a morte no pecado. Ele observou que Jesus alertou os fariseus dizendo-lhes: “Morrerão em seu pecado”:
“Não há possibilidade de sairmos sozinhos de nosso pecado. Estes doutores da lei, as pessoas que ensinavam a lei, não tinham uma idéia clara sobre isto. Acreditavam, sim, no perdão de Deus, mas se sentiam fortes, sapientes; e fizeram da religião e da adoração a Deus uma cultura com valores, reflexões e mandamentos… pensavam que o Senhor pudesse perdoar”.
No deserto, o Senhor ordenou que Moisés fizesse uma serpente abrasadora e a colocasse numa haste. Quem fosse mordido e a contemplasse viveria. “O que é a serpente?”, perguntou o Papa. “É o sinal do pecado, como vimos no Genesis, quando a serpente seduziu Eva e lhe propôs o pecado”, respondeu Francisco.
“Deus mandou hastear o pecado como uma bandeira da vitória. Isto é difícil de entender se não compreendermos o que Jesus nos diz no Evangelho”. Ele disse aos Judeus: “Quando levantarem o Filho do homem, saberão quem eu sou”. “No deserto, disse Francisco, foi hasteado o pecado, mas um pecado que procurava salvação, porque ali seria curado. Quem foi levantado, sublinhou o Pontífice, foi o Filho do homem, o verdadeiro Salvador, Jesus Cristo”:
“O cristianismo não é uma doutrina filosófica, não é um programa de sobrevivência, não serve para nos educar, ou para fazer as pazes. Estas são consequências. O cristianismo é uma pessoa, uma pessoa levantada na Cruz, alguém que renunciou a si para nos salvar; que se fez pecado. Assim como no deserto foi elevado o pecado, aqui foi elevado Deus, que se fez homem e se fez pecado por nós. E todos os nossos pecados estavam lá. Não se pode entender o cristianismo sem entender esta humilhação profunda do Filho de Deus, que se humilhou e se fez servo até a morte e morte de Cruz, para servir”.
É por isso que o Apóstolo Paulo, quando fala sobre o que lhe envaidece, diz “os pecados”. “Nós não temos outra coisa de que nos orgulhar: esta é a nossa miséria”.
O coração da salvação de Deus “é seu Filho, que assumiu todos os nossos pecados, as nossas soberbias, as nossas seguranças, nossas vaidades, nosso anseio de ser como Deus”. “Nossas chagas, que deixam o pecado em nós, se curam somente com as chagas de Deus feito homem, humilhado e aniquilado”. “É este o mistério da Cruz”, afirmou Francisco.
“Não é uma decoração que devemos colocar nas igrejas e nos altares. Não é um símbolo que nos distingue dos outros. A Cruz é o mistério, o mistério do amor de Deus, que humilha a si mesmo, que se anula, se faz pecado. O perdão que Deus nos dá não é cancelar uma dívida: são as feridas de seu Filho na Cruz, elevado na Cruz. Que Ele nos atraia e nós nos deixemos curar”, concluiu o Papa.
Fonte: Rádio Vaticano

Um comentário:

  1. Ótimo post!!!
    Lembremos sempre que "Tudo é possível para quem tem fé"
    http://botefeamor.blogspot.com.br/
    Abraços Fraternos

    ResponderExcluir

Escreva sua mensagem aqui!!!