segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Jesus, o eliminado que se tornou o prêmio

Nestes tempos de reality shows, somos levados, cada vez mais, à ideia de que vale tudo pelo prêmio humano, até mesmo eliminar amigos de nosso caminho, usar de falsidade, de relações interesseiras e superficiais. Não são poucos os que torcem e apontam quem deve ser tirado do caminho dos melhores concorrentes.

Nesta ideia de crescer às custas do irmão que se vai, nós também somos adestrados na “escola” do inimigo que deseja nos fazer indiferentes aos que estão ao nosso redor. Já não basta somente nossas relações superficiais, é preciso agora deixar de lado até o mais querido pelo prêmio, pela conquista.

Se nossa meta é chegar ao céu, precisamos fazer o caminho inverso de se doar pelo outro, de se dar em seu lugar. O próprio Jesus nos deu o exemplo do caminho certo, foi Ele o eliminado, foi Ele o lançado não somente ao “paredão”, mas à cruz, onde se deu por amor e se entregou dando a nós o prêmio da salvação.

As pessoas são capazes de loucuras, de trapaças e falsidade para vencer; passam horas sem comer e se deixam desgastar até às últimas forças para obter o prêmio. Aqui deixo a você uma pergunta: “Qual loucura que você tem feito para alcançar o céu em sua vida? O que você tem feito por amor ao Senhor? Quem poderá salvá-lo e fazê-lo feliz senão Jesus? Como você tem se doado a Ele?

Nossa vida é toda um sonho lindo de Deus, um lugar Ele preparou para nós e nos espera em sua casa, onde os heróis são os que morrem por amor, de amor, de zelo pelo irmão, de cuidado com ele, onde o que importa é amar e ser amado. Queres o céu? Deixa de lado os prêmios do mundo e abrace a cruz, prêmio dos santos, dos filhos de Deus, chave para o céu.

Somos todos “brothers” (irmãos) em Cristo, verdadeiramente livres; nossa alegria e nossos sonhos se concretizam não no pódio humano, mas nas chagas de Jesus, sinal de salvação.

Pare de eliminar, deixa que Cristo faça de você fonte de vida, de resgate, de amor para o mundo.

Por Alan Ribeiro para Destrave Canção Nova.
http://destrave.cancaonova.com/jesus-o-eliminado-que-se-tornou-o-premio/

Veja o que rolou no 1º “Na Trilha de Cristo”

Domingo, 29 de janeiro de 2011. Dia de acordar cedo e ir em busca de Deus de uma maneira diferente: através da aventura. Esse foi o “Na Trilha de Cristo”.

Idealizado e organizado pelo Ministério Jovem da Renovação Carismática Católica de Acari, o evento reuniu 40 jovens com um só objetivo: subir a serra, estar mais perto do céu.

O dia começou cedo, às 5h da manhã, com um belo café da manhã para preparar o corpo para longa jornada. Depois do café, um pequeno trajeto de van até chegar ao marco inicial da trilha, onde foram passadas as instruções para o percurso.

DSCN0205

Divididos em 5 equipes (Cuca, Sentinelas, Guerreiros da Fé, Filhos do Céu e Fogo), pegamos a estrada de terra por um pequeno trajeto até chegarmos ao inicio da subida da serra.

Durante a subida, foram realizadas pequenas paradas para água e reflexão. Refletimos sobre os desafios da nossa vida diária, e sobre a necessidade de subirmos cada vez mais em busca dos nossos objetivos.

DSCN0220

Ainda na subida, mais uma parada, dessa vez para contemplar a paisagem privilegiada. Do alto da serra podíamos ver a cidade inteira ao longe, tão pequenina. Tal vista serviu de ocasião para refletirmos sobre a visão que Deus tem de nós lá do céu. Uma visão por completo, e não só daquilo que está ao nosso redor.

DSCN0236

Mas a subida ainda tinha que continuar, passadas 1h30 de jornada finalmente chegamos ao nosso alvo, o topo da serra, na única casa em um raio de vários quilômetros, a casinha de Dona Maria, que muito alegremente nos acolheu em seu alpendre, onde realizamos um pequeno lanche, ao som de uma boa música na gaita.

DSCN0252

Mas é claro, não adiantava subir só por subir, e após o lanche foram realizadas as algumas atividades.

Na primeira delas, a mais radical, as equipes foram levadas a fazer rapel em uma grande pedra. Foi pedido que cada participante mentalizasse que aquele pedregulho era a sua maior dificuldade de vida no momento e que a vitória almejada para sua vida estava lá no alto da pedra e que para alcançá-la seria necessário vencer a pedra. E assim se fez, um a um, todos as equipes realizaram a subida da pedra, num grande momento de superação.

PQAAAIu1rednHimLOaHdXUjiayjUX8VZydN6XtBF2ZJBjwS4ZBEjI05AzYB4E8vsQ12wUjF8JJiQphRFMVLmKujvALAAm1T1UGsXENLQEC0x8KhUNYxi39aa_XOZ

Paralelo a isso, alguns metros depois, outras equipes realizavam uma atividade mais calma num Olho D’água localizado no interior de uma gruta. A água cristalina que jorrava do subsolo simbolizava o Espírito Santo, a fonte de água viva que emana constantemente a nos purificar. Cada participante foi conduzido a se lavar nessa água e assim sentir o Espírito de Deus.

PQAAAJIL6nyrFzSLcC7DPsbQwObl74-6UhD4IpnbCHRkQUgl_QAUdlya9O0AkyEGZ_K3sxyU2pIS5nOBRK8lbhh8VKwAm1T1UP0JMxYjE0kzguqoXr9RxoPjLn4P

Encerrando as atividades, embaixo de um cajueiro, foi realizado um forte momento de oração, clamando pelo Batismo no Espírito Santo, que veio em porção redobrada sobre todos que se entregaram à oração.

E como tudo que é bom dura pouco, chega a hora de descer da serra, uma aventura a parte. E chegando ao pé da serra ainda teve aventura no nosso retorno à cidade em uma caminhonete.

DSCN0290

E assim se encerrou o primeiro “Na Trilha de Cristo”, fruto de muito trabalho, mas recompensado em dobro por cada momento vivido na programação.

Clique aqui e veja a cobertura fotográfica completa do evento.

“Se meus estudos permitissem, passaria longos dias nas montanhas contemplando, naquele ar puro, a beleza do Criador.” (Pier Giorgio Frassati)

Paz e fogo!

Por Isaak Felipe
Coordenador do Ministério Jovem – RCC Acari/RN

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Bote Fé diocesano será realizado em Currais Novos no dia 12

Currais Novos se prepara para receber uma grande mobilização de juventude, no próximo dia 12 de fevereiro. É o “Bote Fé”, evento ligado a Jornada Nacional da Juventude, que trará para a princesa do Seridó a Cruz e o Ícone de Nossa Senhora, uma cópia contemporânea de um antigo e sagrado ícone encontrado na primeira e maior basílica para Maria a Mãe de Deus, no ocidente, ambos símbolos da JMJ, que terá sua próxima edição no Brasil.

A Jornada Mundial da Juventude,  que acontece a cada dois ou três anos, foi criada pelo Papa João Paulo II, em 1985, e consiste num encontro de centenas de milhares de jovens católicos do mundo inteiro.  Em 1984, durante o “Jubileu Internacional da Juventude”, em Roma, o Papa João Paulo II entregou aos jovens um símbolo: uma grande cruz de madeira, para que a levassem por todo o mundo, a todos os lugares e a todo tempo.

A cidade do Rio de Janeiro foi escolhida pelo Papa Bento XVI para sediar a Jornada Mundial da Juventude em 2013, para a qual são esperados mais de 3 milhões de jovens de todas as partes do mundo.

A Cruz da JMJ, como ficou conhecida, e o Ícone de Nossa Senhora, chegaram ao Brasil, mais precisamente em São Paulo, no dia 18 de setembro de 2011 e percorrerá todo o país até chegar ao Rio, em 2013.  No Rio Grande do Norte, os símbolos chegarão no dia 10 de fevereiro e percorrerá  todo Estado. Natal foi escolhida pela CNBB ‐ Conferência Nacional dos Bispos do Brasil receberá a Cruz e o Ícone, em um grande evento, denominado “Bote Fé”, que também acontecerá nas 276 dioceses do país, e promove um conjunto de atividades proporcionando situações propícias para o desenvolvimento da evangelização da juventude em cada realidade. Na capital potiguar a passagem dos símbolos será marcada por um grande show, quando será gravado o DVD oficial da peregrinação da Cruz, fruto de uma parceria entre a Igreja do Brasil e a Sony Music, e terá a participação de 25 cantores da música católica, entre eles: Padre Fábio de Melo, Padre Zezinho, Reginaldo Manzoti, Padre Antonio Maria, entre outros.

Já no domingo(12), às 9h a Cruz e Ícone chegarão ao Santuário de Santa Rita de Cássia, em Santa Cruz. Seguindo para o Seridó. Currais Novos, será uma das três cidades potiguares a receber o “Bote Fé”, além de Natal e Mossoró. Ela foi escolhida pela organização dos grupos de jovens organizados existentes na cidade.

Na Terra da Sheelita a acolhida iniciará às 15h, com a participação das caravanas visitantes das cidades, no Largo do Santuário de Nossa Senhora de Fátima, com grande Louvor, animado pelo Ministério de Música da cidade de Currais Novos. A programação segue com caminhada “Padre Welson”, por alguns bairros da cidade, com paradas na Matriz de Sant’Ana e Hospital Regional, terminando no Espaço Cultural Mons. Ausônio Araújo, com chegada às 17h, onde ocorrerá a celebração da missa por padres da região.

A partir 19h inicia o “Bota Fé” com Dj Ângelus e o Ministério de Música Missionário Shallom. Às 22h, translado até a Matriz da Imaculada Conceição e início da Vigília. Às 3h, Adoração ao Santíssimo, e às 5h, encerramento da Peregrinação em Currais Novos.

Para Padre Welson, pároco de Sant’Ana, a vinda deste evento para a cidade demonstra o nível e a força da organização dos jovens. “Aqui temos oito grupos de jovens organizados, e esse momento proporciona um espaço para essa juventude refletir, rezar e expressar o ser jovem”, disse.

Um dos grupos é “Onhosem em Cristo”, conhecido pelo trabalho de evangelização através do teatro. O coordenador Carlos Medeiros, lembra que o evento é direcionado para os jovens, mas que pessoas de todas as idades devem participar. “Todos estão convidados, será um momento muito especial para Currais Novos”, disse.

Na passagem por Currais Novos estão sendo vendidas camisas padronizadas. Segundo Irismar Fernandes, da comissão Diocesana, os interessados tem que encomendar as camisas previamente na paróquia da Imaculada ou na Matriz de Sant’Ana, pelo valor de R$ 15. “Independente de comprar ou não a camisa, a gente está pedindo para que todas as pessoas vão usando branco”, disse.

De Currais Novos os símbolos encerram a passagem pelo Seridó, seguindo para Acari, Jardim do Seridó, Caicó e Jucurutu, depois segue para Mossoró, fechando o trajeto pelo RN.

Assista ao convite do Bispo Diocesano Dom Delson para as atividades da passagem da Cruz e do Ícone por nossa diocese:

Na última edição em 2011, a Jornada Mundial da Juventude aconteceu em Madri, na Espanha, com a participação de mais 2 milhões de jovens. Durante as JMJ, acontecem eventos como catequeses, adorações, missas, momentos de oração, palestras, partilhas e shows. Tudo isso em diversas línguas.

Já a gravação do DVD da Jornada Mundial da Juventude, em Natal, acontecerá no dia 10, a partir das 17 horas, na Arena Bote Fé, na Praia do Forte, em Natal. Está sendo montada uma caravana de Currais Novos, mas é necessário reservar a vaga com antecedência na Matriz de Sant’Ana.

Fonte: CN Agitos, com informações Bote Fé Natal;

DVD oficial dos shows Bote Fé será gravado em Natal

 

Um grande show com mais de 20 artistas católicos vai marcar o começo peregrinação da Cruz dos Jovens e do Ícone de Nossa Senhora na Arquidiocese de Natal, no dia 10 de fevereiro, e vai virar o DVD Bote Fé. A partir das 17h, na Arena Bote Fé, situada na Praia do Forte, vão se apresentar Padre Zezinho, Padre Fábio de Melo, Padre Reginaldo Manzotti, Padre Antônio Maria, Cantores de Deus, Banda Rosa de Saron, Banda Dominus, entre outros.

 Peregrinação dos Símbolos da JMJ em Natal vai celebrar memória dos Protomártires do Brasil

O show é organizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), pela Arquidiocese de Natal e pela Sony Music. O ingresso promocional para o show, no valor de R$ 25,00, pode ser adquirido na Central Bote Fé, localizada no piso superior do Natal Shopping, diariamente, das 10 às 21 horas; ou na Catedral Metropolitana, de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas. Moradores de outras cidades que desejarem adquirir o ingresso podem entrar em contato pelo telefone (84) 3615-2800.

O itinerário da Cruz e do Ícone de Nossa Senhora não fica só no show. Depois do Bote Fé, os jovens farão vigília no mesmo local e, a partir das 4h da madrugada do sábado, dia 11, iniciarão a peregrinação por vários pontos da capital potiguar, começando com missa na Catedral de Natal às 6h e prosseguindo até o Monumento dos Mártires, em Uruaçu, onde haverá nova vigília. A peregrinação continua no domingo, dia 12, até o meio-dia, quando a Cruz e o Ícone serão enviados para a Diocese de Caicó.

Para ficar por dentro de tudo, acesse o site oficial, siga o Twitter@BoteFe_Natal e curta a fanpage no Facebook.

Atrações do Show Bote Fé:

Bote Fé - NatalAdriana
Adrielle
Anjos de Resgate
Cantores de Deus
Celina Borges
Cleiton Saraiva
Davidson Silva
Diego Fernandes
Dominus
Eliana Ribeiro
Eros Biondini
Eugênio Jorge
Fábio Augusto
Irmã Kelly Patricia
Jake
Luiz Carvalho
Maninho
Ministério Adoração e Vida
Missionário Shalom
Nazaré Araújo
Olívia Ferreira
Padre Antônio Maria
Padre Fábio de Melo
Padre Joãozinho
Padre Reginaldo Manzotti
Padre Zezinho
Rosa de Saron
Suely Façanha
Vida Reluz
Zé Vicente
Ziza Fernandes

A playlist da sua vida

Independentemente do som que você curte, todo mundo precisa de alguma coisa para escutar. Um mundo sem música seria algo sem graça, pois as melodias e harmonias fazem parte da nossa vida.

A vida é uma canção. Feita de notas. Tons altos e baixos. Em uma métrica que o faz afinar ou não para a vida!

A música tem o poder de acalmar, de fazer pensar e até mesmo de curar. Hoje existem até cursos que formam profissionais que tratam pacientes com problemas físicos, mentais e sociais por meio da música e dos sons. A própria Bíblia descreve como Davi curou a depressão do rei Saul, tocando-lhe harpa.

Agora faço uma pergunta para você: qual a música tem tocado no Ipod de sua vida?

Será que no top 10 de sua playlist está uma música que em si traz a força do amor? Um amor que sabe ter tons graves e agudos e nunca deixa a desafinação acontecer?

Será que na harmonia de instrumentos usados para compor a canção de sua vida a força do amor é o grande harmonizador das diferenças?

Deixe-se embalar por uma canção nova, que traz em si toda a força do amor que sabe se adaptar aos diferentes estilos e nem por isso perde sua potencialidade.

Você nunca ouviu alguma música que o tranquilizou? Ou alguma que fez com que respirasse fundo, pois atualizava aquele momento especial da vida?

Pois é, muitas canções, por meio de suas palavras e notas musicais, trazem-nos essa sensação de paz e felicidade e, porque não até dizer, de estado de graça?

Por meio da música, é possível protestar, impor uma opinião. mover multidões, podendo assim mudar toda uma geração.

Que tal revolucionar com uma música nova, revolucionar na força do amor? Amor tocado, amor cantado, amor dedilhado, a música não faz bem somente a uma pessoa e sim ao mundo todo, dependendo da força que a motiva.

Já imaginou como seria se, cada vez que você encontrasse o amor de sua vida, no fundinho estivesse tocando aquela música romântica? E uma música triunfante quando você lesse seu nome no listão do vestibular? Ia até ficar mais fácil identificar aqueles momentos importantes da vida dos quais você só se dá conta depois. Se houvesse uma trilha sonora, você ia saber na hora o que estava acontecendo.

Isso é possível. Que tal fazer de sua vida uma trilha sonora com a música certa para o momento certo? Embalada pela força do amor?

Basta ouvir o som do coração! Essa é a grande trilha sonora de nossa playlist da vida.

Tamu junto

Adriano Gonçalves
Comunidade Canção Nova
blog.cancaonova.com/revolucaojesus

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Oração e radicalidade: Na Trilha de Cristo

Apresentação1

Percebendo a necessidade de novas formas de evangelização juvenil, o Ministério Jovem da Renovação Carismática Católica vem promovendo diversas ações que visam inserir o jovem na realidade católica, apresentando-lhes um Deus que vai ao encontro dos filhos amados onde quer que eles estejam.

Depois do Luau com Cristo, que reuniu 40 jovens no dia 14/01, apresentamos a nossa nova iniciativa, o primeiro “Na Trilha de Cristo”, que se realizará no dia 29/01. A proposta do evento é levar os participantes a um encontro com Deus através da radicalidade, dos desafios e da superação.

O cenário escolhido para esta aventura é a Serra do Abreu, situada a caminho do Povoado Gargalheiras. O destino ficou bastante conhecido com a reportagem realizada pelo programa Mais Você (TV Globo) em 2011.

O público-alvo da trilha são os jovens entre 14 e 25 anos.

Os interessados em participar do evento devem realizar sua inscrição durante esta semana (até a quinta 26/01) na Secretaria Paroquial, ao lado dos Correios. A inscrição requer uma pequena taxa: R$ 3,00 (para despesas com estrutura e alimentação) e um quilo de alimento (a ser doado para caridade).

Estão programados para a trilha momentos de oração e também de radicalidade.

Informações completas e esclarecimento de dúvidas podem ser feitos na Secretaria Paroquial ou pelo telefone 9666-7335.

por Isaak Felipe
Coordenador do Ministério Jovem da RCC Acari

A Paróquia de Nossa Senhora da Guia está no Facebook

Desde o fim de 2011, a Paróquia de Nossa Senhora da Guia está no Facebook. A agenda pastoral, fotos de eventos, informes e diversos são publicados na rede social, visando uma maior proximidade com os paroquianos.

Para receber as atualizações da Paróquia na página inicial são necessários dois passos apenas:

O primeiro deles é, estando logado na rede social, acessar o perfil e enviar a sua solicitação de amizade. Em breve seu pedido será aceito e você recebera as postagens da paróquia.

Para adicionar a Paróquia de Acari como sua amiga, clique na imagem abaixo:

image

O segundo passo, é curtir a página. Assim você estará mostrando para os seus amigos que você faz parte dessa paróquia, além de receber mais informações na sua página inicial.

Para curtir a página, clique na imagem abaixo:

image

E tu? Vem e segue-me?

Talvez nos inquiete o coração quando ouvimos Jesus dizendo no Evangelho ao jovem rico, e a tantos outros, palavras como “vende o que tens e segue-me”. Ficamos imaginando como deviam ser fortes essas palavras e falamos para nós mesmos que, com certeza, se fossem para nós, o seguiríamos sem dúvida nenhuma. O próprio Cristo nos chamando a segui-lo... Mas sentimo-nos aliviados por pensar que esse chamado não é mais para nós, Cristo não chama mais desta forma. Será?

Mais que nunca urge em nós o apelo de sermos uma Igreja missionária. Deus suscita no coração de muitos a inquietação de partimos em missão, de deixarmos tudo e seguir a Cristo.

“Mestre onde moras?”. A inquietação do homem do Evangelho é também a nossa. Pensamos que o homem está insensível a Deus, ao transcendente, mas pelo contrário, o homem está cada vez mais desejoso de encontrar-se com a Verdade e a busca de várias formas e em vários lugares. Estamos, entretanto, cansados de meias verdades, de apelos moralistas, ou de lugares que nos oferecem vida melhor, mas que longe de nos realizarem só aumentam o desejo de algo mais, como uma sede e fome insaciável.

O chamado divino àqueles que Ele escolheu não deve ser visto nunca como um peso, ao contrário, como uma grande graça, pois o próprio Deus quer que sejamos próximos, amigos, conhecedores da sua verdade, Ele que por amor, quer fazer-nos plenos.

A resposta de Cristo a essa sede insaciável é o “vinde e vede”. Cristo nos chama a sabermos onde ele mora. Ele mora no coração do homem que, amargo, espera a paz, no coração do jovem que em busca da felicidade é flagelado pelas drogas, das famílias que fechadas à vida, esperam uma vida melhor e de muitos que, isolados, caem na depressão ou no suicídio por não encontrarem sentido em sua vida. Na missão mora o Cristo, pobre, casto e obediente e lá, esquecendo-nos de nós mesmos e dando a nossa vida pelo Outro e pelos outros, encontraremos o próprio Cristo e a felicidade.

Não adianta medirmos perdas e ganhos. Nossa vida merece ser gasta em algo nobre e verdadeiro. Quanto tempo e qualidade de vida perdemos em coisas que passam. Precisamos empregar o melhor de nós naquilo que é digno, naquilo que merece a dedicação de nossa vida e que é eterno.

Gostaria ainda de elencar dois pontos importantes para a vida missionária:

O primeiro pronto é a experiência. A missão é uma resposta de gratidão. O coração é tocado por Deus e inflamado por seu amor de tal forma que não há limites para o dar-se. Só quem teve uma experiência com o Amor de Deus é capaz de deixar tudo, suas comodidades, e planos e aderir de forma incondicional aos planos de Deus. Onde não há uma experiência de ouvir a voz que chama, não há resposta.

O segundo ponto é a renúncia. Toda escolha por algo implica uma renúncia. O mérito desta é que só se abre mão de coisas caras para nós, quando encontramos o tesouro mais precioso. De fato, quando descobrimos a vida de Cristo, o seu amor, a eternidade, somos capazes de abrir mão de todos os “tesouros” que temos para comprar aquele que ofusca o brilho de todos os outros.

Toda essa renúncia que brota da experiência não é vã, pois “onde há oferta há fogo!”, é o que costuma dizer o fundador da Comunidade Católica Shalom, Moysés Azevedo. Os frutos da oferta são abundantes, a começar pela própria vida de intimidade com o Senhor, a vida no Espírito, a maturidade humana, o crescimento nas virtudes, a descentralização de si mesmo, a pobreza de estar nas mãos de Deus, a humildade, etc.

Que o Senhor nos dê a graça de encontramos o precioso tesouro que Ele tem para nós.

por Franco Michel
Missionário e seminarista da comunidade de vida Shalom

Amar se aprende amando

- Se colhêssemos o verbo amar analisando-o somente gramaticalmente, veríamos que se trata, obviamente, de um verbo transitivo direto. Quem ama, ama alguém ou alguma coisa. É, portanto, verbo que exige um objeto, um motivo, uma causa que lhe dê razão e sentido de existência. Não existe sem este complemento, pois, do contrário, estaria fadado à inutilidade. Não somente na frase ou no discurso o verbo amar carece desse algo mais que o justifica. Também na nossa vida e no nosso coração esta verdade é plena de significado, haja vista que, ao conjugá-lo sem essa razão que lhe dá alicerce, o nosso aprendizado afetivo não existiria. Cristãos zelosos que muitas vezes nos julgamos, somos levados a exercer o nosso amor tendo em vista o objeto essencial da nossa vida: o próprio Cristo ressuscitado, que já na sua cruz havia atestado, sob a sua dor e sofrimento, que era a humanidade pecadora e algemada pela maldade o objeto primordial de Sua paixão. Levando-se em conta essa conclusão, ao colocarmos Cristo como meta de nosso amor, estaríamos selando essa obra que, afinal de contas, é a razão de ser de toda a criação operada por Deus. Seria perfeito e lucraríamos o Céu se atingíssemos esse objetivo. No entanto...

Falar de amor, hoje, é de uma facilidade sem tamanho. Virou rima pobre de música, discurso barato na azaração dos jovens e desculpa para crimes e barbaridades; enfim, perdeu quase que completamente a excelência dada por Jesus em Sua vida. Depois de milênios quebrando a cabeça ao tentar se abrir em direção aos outros e a Deus, o homem parece ainda infantil ao definir o significado pleno do ato de amar na sua existência. E, como o significado exato lhe escapa pela sua teimosia em não escutar a Deus que mora em si, ele vai chamando de amor qualquer coisa que se assemelhe a este sentimento, segundo seu juízo ferido e perdido.

É interessante como, na boca de Cristo, a palavra amor ganha um significado intenso e simples. Ele ordena: “Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros como Eu vos amei! Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos. Vós sereis meus amigos se fizerdes o que vos mando. O que vos mando é que vos ameis uns aos outros!” (Jo 14,12-17). Nota-se que é uma exortação, uma necessidade, um pressuposto lógico para se obter a tão desejada salvação. Não há caminhos miraculosos ou misteriosos para se chegar à Graça – o amor consegue ser, ao mesmo tempo, causa e consequência, ação e reação, contração e distensão. Para o homem, porém, o amor é o pior dos caminhos, a mais falha, decadente e sem-graça das suas aspirações, porque ele não busca atar esse elo com Deus (e, é claro, consigo mesmo). Ele busca ater-se ao seu egoísmo, tentando assim vivenciar uma mudança de vida a partir de suas próprias forças, falhas e poucas. Amar torna-se um fardo, um peso, porque é verbo que pede como objeto, além do próprio amante, o amado, que é sua razão de ser...

Segundo Dom Amaury Castanho, “(...) é fácil perceber, no conjunto da mensagem do Nazareno, que o Reino de Deus se caracteriza pelo amor e a justiça, a pobreza e a paz, a graça divina, a verdade e a simplicidade”. O amor é a substância do Céu. Aliás, o amor é a essência de Deus, e ele torna-se “preso” a ela quando nos elege como objeto de seu amor, posto que Ele só sabe amar, na infinitude de si. Essa “prisão” é, para nós, o verdadeiro significado da liberdade, mas não a buscamos porque nos prendemos ao pecado que há em nós, trazido como herança pela desobediência primeira da humanidade, que quebrou, no início da criação, esse elo com Deus, que é aliança de amor e a própria história da salvação de todos nós.

O ato de amor deve concluir-se com total perfeição, a fim de conseguirmos a eternidade. Exige-se, pois, um sujeito, um verbo e um objeto para que, unidos entre si, perfaçam o sentido da caridade que Cristo legou em Sua Palavra. Um sujeito que, livre e espontaneamente, almeja agir para obter o amor; um verbo que, em si, já expressa esse desejo de buscar o outro para atingir o seu pleno significado; e, por fim, um objeto que deseja receber esse amor para, respeitada a aliança, devolvê-lo em maior magnitude. O verbo a escolher é o amor. Nós, então, devemos ser este sujeito de amor e Deus deve ser objeto da nossa ação, haja vista que Ele, na nossa vida, já conjugou, antes e infinitamente, o verbo amar em nós e na nossa existência...

Os santos souberam escolher o objeto de seu amor e, por isso, gozam do Céu. Entre eles, destaca-se sua Rainha, Maria, Mãe Santíssima de Jesus, que fez do seu “sim” sinal claro de sua opção pelo amor maduro e desmedido, impulsionado pela grandeza de Deus que abraça sua pequenez (cf. Lc 1,38). Ninguém amou como ela o Verbo Amor de Deus, guardando-o em seu seio e conduzindo-o com sua maternal afeição. Ela soube descobrir o segredo e o mistério de amar, fazendo a simples escolha pelo amor, sem grandes ambições e sem se apegar a si mesma e à sua humanidade. De Maria, aprendemos o amor que é ação de Cristo, substância e essência de Deus. Amar na coragem e na ousadia de quem já se sabe objeto especial desse Amor...

Por Breno Gomes Furtado Alves
Comunidade Católica Shalom

A beleza de ser do Povo de Deus

Era véspera de Natal do ano de 1944 e o mundo sofria sob os terrores da Segunda Guerra Mundial que já se estendia por cinco anos. Pio XII dirigiu uma mensagem aos fiéis que foi ao mesmo tempo de conforto e de exortação a respeito de questões relacionadas ao conflito. Um dos assuntos principais foi a democracia. Ele esclareceu que a democracia de fato só é possível por meio de homens conscientes de seus deveres e direitos, de sua liberdade unida ao respeito da liberdade e da dignidade dos demais.

“O povo vive e se move com vida própria. [...] vive da plenitude da vida dos homens que o compõe, cada um dos quais em seu próprio posto e à sua maneira, é pessoa consciente de suas próprias responsabilidades e suas próprias convicções”, disse o Papa.

O que coloca a democracia em risco são os aglomerados amorfos (massas) suscetíveis à manipulação.  Massa, definiu o Sumo Pontífice, é “joguete fácil nas mãos de um qualquer que explore seus instintos e impressões, disposta a seguir cada vez uma, hoje esta, amanhã aquela outra bandeira”. Ou seja, são pessoas que não agem verdadeiramente como sujeitos  conscientes e livres.

Na edição passada, refletimos sobre como a compreensão de liberdade equivocada tem levado muitos a violarem a própria dignidade sem darem-se conta. Julgam que são livres, mas são escravos.

Em nome da liberdade, o ser humano tem  feito mal a si mesmo e ao próximo. Só para ficarmos como um exemplo muito ilustrativo: a liberdade é invocada até mesmo para a defesa do assassinato. Não é esse o discurso de grupos que sem pudor algum defendem a ideia maligna de que é lícito o assassínio de crianças no ventre materno? Dentro dessa concepção, a liberdade nada mais  é do que  serva da cultura de morte.

A fé católica entende que liberdade, esse valor que distingue o que é povo e massa, não se confunde com o direito de se fazer o que quer que seja, mesmo o mal, contanto que agrade:

“A liberdade verdadeira é um sinal privilegiado da imagem divina no homem. [...] Exige, portanto, a dignidade do homem que ele proceda segundo a própria consciência e por livre adesão, ou seja, movido e induzido pessoalmente desde dentro e não levado por cegos impulsos interiores ou por mera coação externa. O homem atinge esta dignidade quando, libertando-se da escravidão das paixões, tende para o fim pela livre escolha do bem e procura a sério e com diligente iniciativa os meios convenientes.”

Se é possível entendermos a liberdade sob essa perspectiva, orientada para Deus, é porque “a fé esclarece todas as coisas com luz nova.”  Também a compreensão do conceito de povo é ampliada ao receber as luzes da fé. A dignidade do ser humano - criado à imagem de Deus - é tamanha que ele é chamado a fazer parte não apenas de um povo circunscrito a  determinado lugar. À luz da Revelação Divina, sabemos que todos os homens são convocados a fazerem parte do Povo de Deus. Como prometemos na edição passada, é sobre esse povo de características singulares que vamos refletir um pouco.
As características do Povo de Deus

Pela fé sabemos que Deus escolheu Israel para ser o seu povo, manifestando-se a Si mesmo e os desígnios da Sua vontade na história dele. Tudo como preparação da Aliança nova e perfeita, que seria concluída em Cristo. Esta nova Aliança instituiu-a Cristo no seu Sangue, chamando um povo, proveniente de judeus e pagãos, a juntar-se na unidade, não segundo a carne, mas no Espírito. 

Esse povo se distingue de todos os agrupamentos religiosos, étnicos, políticos ou culturais da história.  A primeira distinção é a sua pertença a Deus.  A condição para se ingressar nele é o  nascimento do Alto, da água e do Espírito, isto é, pela fé em Cristo e pelo Batismo.

No coração das pessoas que pertencem a essa raça eleita, como num templo, reside o Espírito Santo que as leva a viverem na dignidade da liberdade dos filhos de Deus. Elas vivem a “lei nova” e agem tendo por base o mandamento novo dado pelo Senhor, de amar como Ele nos amou. 

Todos os que são habitados pelo Espírito têm uma missão da qual não podem se furtar: ser sal da terra e luz do mundo. E que consolador: aqueles que desse povo fizerem parte têm por destino o Reino dos Céus, o qual, começado na terra pelo próprio Deus, se deve dilatar cada vez mais, até ser consumado no fim dos séculos.

A Igreja é esse povo reunido na unidade do Pai e do Filho e do Espírito Santo, na definição de São Cipriano, e o mandato missionário impulsiona-nos a buscarmos outros que ainda estão de fora: “Ide, pois, fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo quanto vos mandei” (Mt 28, 19-20).
Ser massa, ou povo?

E nesse ponto podemos refletir sobre nosso chamado de vivermos e difundirmos a Cultura de Pentecostes. Se nos debruçamos sobre essas questões é porque devemos assumir como nossa a angústia de Cristo diante das multidões errantes e prostradas “como ovelhas sem pastor" e para repetir suas palavras "tenho compaixão desta multidão".  E, também, para pensarmos com realismo sobre nossas vidas e atividades missionárias. Temos vivido como povo? O que temos feito para que as pessoas façam parte dele, tal qual concebido pelo Senhor, na mais total autenticidade?

Temos acesso às multidões, como Jesus tinha e, felizmente, testemunhamos verdadeiras conversões em nosso meio, mas sabemos que podemos aprimorar nosso serviço ao Senhor. Por isso, são pertinentes alguns questionamentos: com que frequência as pessoas que vêm até nós são motivadas apenas pelo nome da banda ou do pregador famosos; ou pela necessidade de algum milagre? Pessoas que sempre “precisam de impulso de fora”?

Aqueles que buscam a solução para os seus problemas em algum ambiente nosso estão passando por um processo de metanoia, conversão genuína? É preciso que pensemos seriamente sobre isso, porque se em nosso meio, ano após ano, ainda existem aqueles irmãos que vivem de evento em evento em busca do extraordinário, sem assumir os valores do Evangelho, certamente algo está errado.

Afinal, a evangelização visa à mudança radical de vida, individual e coletiva.  A força do Evangelho deve modificar “os critérios de julgar, os valores que contam, os centros de interesse, as linhas de pensamento, as fontes inspiradoras e os modelos de vida da humanidade, que se apresentam em contraste com a Palavra de Deus e com o desígnio da salvação”.  

Meta elevada, sabemos,  mas essa é a proposta do cristianismo. Não podemos nos conformar. Estar na mesma forma. É preciso que estejamos dispostos a influenciar as realidades que nos cercam a partir de nós mesmos. “Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito (Rm 12.2).

Quanto mais vivermos e levarmos outras pessoas a viverem como autêntico Povo de Deus, mais e mais o mundo viverá o que Jesus ensinou.

No coração das Massas

Jamais, na história do cristianismo, tivemos tantos meios para chegar às pessoas. Hoje, ouvimos falar de encontros cristãos católicos ou de outras denominações cristãs que reúnem multidões impressionantes. Os cristãos do Brasil estão ocupando lugares nas mais diferentes mídias que se têm à disposição em nossos tempos e isso é muito bom. 

Mas o mundo está mais cristão? Os ensinamentos de Jesus Cristo estão sendo conhecidos e vividos de verdade? Lembremos que o Senhor, ao enviar os seus discípulos, ordenou-lhes que ensinassem os povos a observar tudo o que Ele lhes havia lhes  dito: amor a Deus e ao próximo, perdão, pobreza, mansidão, simplicidade, renuncia, doação de vida ... Nada pode ser omitido. A esse respeito Bento XVI nos advertiu: a mensagem evangélica não  pode ser “selecionada” para dar audiência, ser popular.

“Antes de tudo, devemos estar cientes de que a verdade que procuramos partilhar não extrai o seu valor da sua “popularidade” ou da quantidade de atenção que lhe é dada. Devemos esforçar-nos mais em dá-la a conhecer na sua integridade do que em torná-la aceitável, talvez a mitigando. ”

Como é fácil encontrar pessoas que recebem o Anúncio, até se emocionam, gostam das músicas cristãs, mas não estão dispostas a viver as renúncias da fé.  Como temos lidado com isso? Estamos criando mecanismos para formar as pessoas na reta doutrina, para “aprofundar, consolidar, alimentar e tornar cada dia mais amadurecida a fé daqueles que se dizem já fiéis ou crentes, afim de que o sejam cada vez mais”?

Se temos tido contato com multidões e elas, ao saírem de nossa presença, continuam relativistas, selecionando os aspectos da fé que mais lhes agradam, se levam uma vida sem considerar os Mandamentos, se ignoram os ensinamentos de Cristo e de Sua Igreja, precisamos pensar seriamente a respeito.

Aqui entra o papel do pastoreio, como um esforço para que as ovelhas fiquem no aprisco, protegidas dos tantos lobos que as cercam. O pastoreio insere a pessoa em uma nova cultura; em nossa linguagem habitual: na Cultura de Pentecostes. É preciso despertar nelas a consciência de que fazem parte deste povo singular.  Que desejem ir para a Igreja, ao Grupo de Oração, porque sabem o que significa fazer parte do Corpo do Senhor. E que elas próprias possam ser também propagadoras da Mensagem.

Para que isso aconteça, é preciso cuidar, amar, ouvir, ensinar, formar. É preciso ter paciência, também, porque essa mudança geralmente requer dedicação perseverante. É missão nossa trabalhar para que grupos sem identidade, sem forma, sejam transformados em Povo Deus.

Povo esse que se manifestou ao mundo no dia de Pentecostes e mudou o rumo dos acontecimentos da humanidade.  Aqueles homens e mulheres da primeira hora do cristianismo encararam os desafios de seu tempo com coragem. Quando necessário derramaram o próprio sangue, que foi “semente de novos cristãos”. Eis uma história verdadeira e bonita, que mostra qual deve ser a postura do povo que leva o nome do Altíssimo.

História cara a todos nós que nos sentimos chamados a ser “rosto e memória” de Pentecostes. Certamente conhecê-la melhor nos fará perceber por que temos de lutar “pelo nosso povo e nossa religião” (Mac 3, 43).

Lucia Zolin
Coordenadora Nacional de Comunicação Social

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Tenho o que preciso, preciso do que tenho

Pense comigo: você diante de sua TV, e o que aparece na telinha é um comercial com uma geladeira bonita, em um dia de sol, namorando, rindo e curtindo a vida. ao término da propaganda, aparece algo como: "a vida é hoje!", "aproveite" ou outro slogan qualquer que traz esta mesma ideia. Tipo: "seja feliz agora tendo isso, por isso, e só custa isso". Ironia do destino? Não! O público-alvo dos comerciais é justamente o jovem, já que, entre outros fatores, viaja mais, diverte-se mais e, por consequência, gasta mais.

Sim, realmente somos o alvo deste mercado. Mais fazer o quê? A cada dia uma novidade, a cada dia uma evolução e vitrines com produtos da última hora. É possível sobreviver?

Acredito que SIM. Basta usar da mesma técnica. Já ouviu falar de custo-benefício? Ou seja, aquilo que estou comprando realmente vale a pena? Vou mais além. Realmente vale a pena investir nisso? É essencial para mim? Ou quero apenas acompanhar uma moda ou ideologia?

Galera, perguntas como estas trazem maturidade e coerência.

Vontade todos temos, quem não gostaria de ter Ipod de última geração turbinado com não sei quantos GBs? Não existe mal na vontade. Agora o que faço com ela? Devo tomar cuidado. Não somos só vontade, somos razão! Somos análise também.

Diante de suas vontades pense: em que isso me faz melhor? Tendo isso, contribuo mais para ser gente e ter um mundo melhor, ou me fecho em meu mundo egoísta e orgulhoso? O benefício é maior que o custo que tenho ao adquirir algo? Ser cristão é saber administrar aquilo que tenho oferecendo o melhor para o outro...

Somos gente que se relaciona e não que se isola. Não somos ilhas, não é? Diante de minhas vontades eu me questiono: por que quero isso? Quero porque realmente preciso ou por que todo mundo tem e eu tenho que ter? Este "todo mundo" é perigoso demais, podemos nos perder aí no que somos.

E os excessos então? Nossas gavetas denunciam o que somos. É bom esvaziá-las de vez enquanto, ficando somente com o que é necessário. Você já observou quanta coisa sem necessidade acabamos consumindo?

O QUE VOCÊ NÃO USA NÃO TE PERTENCE.

Viva com o necessário! Então vamos lá, mais que viver consumindo produtos de propagandas, qual tal criar o seu slogan: Tenho o que preciso, preciso do que tenho.

Adriano Gonçalves
Comunidade Canção Nova
blog.cancaonova.com/revolucaojesus

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Cantor Batista Lima fará show de seu projeto religioso em Acari

Nesta quarta-feira, 8, a cidade de Acari recebe o show do cantor Batista Lima, promovido pela Paróquia de Nossa Senhora da Guia e parceiros em prol do Hospital Maternidade de Acari. O evento será realizado no Municipal Clube a partir das 19h00min.

Batista Lima, conhecido por ser vocalista da Banda Limão com Mel, vem desenvolvendo há 5 anos um projeto paralelo à sua banda de forró, intitulado “O Farol”, nome de sua canção religiosa mais conhecida. Tal projeto tem por finalidade levar a Palavra de Deus através da música e da oração.

Batista Lima é fruto de conversão, viu sua soberba e orgulho serem transformados em humildade por Cristo, através da Renovação Carismática Católica. Veja o testemunho completo do cantor:

Testemunho do cantor Batista Lima

As senhas para o show podem ser adquiridas em O Boticário, Vint’z, Centro Paroquial, Maternidade e com representantes das pastorais pelo valor de R$ 3,00 ou a doação de um produto de limpeza. Toda a arrecadação será destinada ao Hospital Maternidade de Acari.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Se minha vida passa longe da verdade que aprendi…

Olá sentinela, mais uma semana que se passou e cá estamos nós de novo para o nosso papo.

Hoje quero saber sua opinião, se você concorda com algo que eu estava pensando agora a pouco: é muito fácil cantar essas canções da música católica, canções que falam de uma entrega total a Deus, de um amor ilimitado aos irmãos, de um total conduzir pelo Espírito Santo. Sim, é muito fácil, mas… e viver o que cantamos, é fácil ou difícil?

Lamentavelmente parece ser bem difícil. Falo isso por experiência própria, quantas não são as vezes que me enxergo descumprindo aquilo que as canções que não saem da minha boca professam. E isso dói tanto.

Tais canções não são como a música secular, feita para agradar a totalidade das pessoas, pois quanto mais gente gostar, mais gente vai comprar e o artista mais vai lucrar. A música católica vai além disso, são canções para se cantar, mas acima de tudo, canções para se viver.

Não quero aqui pedir pra você só cantar as músicas que vive, visto que a vivência da santidade é uma luta que nunca está terminada. Proponho aqui que nós antes de sairmos cantando tais músicas, primeiro a ouçamos, façamos dela uma oração, percebamos a letra, as verdades proclamadas, e deixemos que a partir da música se instaure em nós um processo de conversão.

Permitamos que a música nos faça ter sede de fazer o que ela diz, pois é pra isso que elas servem! Que a música nos leve a amar a Deus, nos leve a uma total entrega para com ele. Enfim, não apenas cantemos, vivamos!

Isso também é experiência própria: de uns dias pra cá tenho feito a experiência de vivenciar aquilo que canto, vendo se estou realmente cumprindo o que a letra daquela música diz. É claro que esbarro em situações onde me pego na hipocrisia, mas é aí que transformo a música em súplica a Deus para que Ele envie o Espírito Santo sobre mim e me transforme cada dia mais.

Te convido a assumir essa experiência de viver a fé não só com palavras, mas com atos e de coração. E para nós que já fazemos essa experiência, sejamos humildes perante a Deus pedindo que Ele nos conserve fiéis em nosso compromisso com a verdade. E aí, vai encarar sentinela? Em Cristo conseguiremos!

Ah, não sei se você percebeu, mas o título  dessa postagem é trecho de música (não podia deixar de ser, né?). É um verso da música “Em Santidade” do Ministério Adoração e Vida. Essa música ajuda bastante na nossa reflexão sobre o tema que abordei hoje, te convido a ouvir e rezar com ela.

Semana que vem a gente se fala mais, Paz e Fogo!

por Isaak Felipe

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Férias, questão de escolha!

Narra o livro do Gênesis que o Senhor trabalhou durante seis dias na criação do mundo e no sétimo dia Ele descansou. No Eclesiastes, é dito que existe um tempo para cada coisa debaixo do céu. Sendo assim, existe o tempo para estudar, para trabalhar, mas também o merecido tempo para descansar. Nem todos são privilegiados com as férias do meio do ano, mas os estudantes podem contar com esse período de descanso e recarregar a bateria.

É tempo de renovar as forças, traçar novos propósitos, retomar alguns que não foram vividos até aqui. Férias também é tempo de curtir a família, já que durante o período de aulas é tudo tão corrido e você acaba passando mais tempo com seus colegas e professores do que com seus pais e irmãos em casa.

Hoje, infelizmente, muitos jovens e adolescentes passam suas horas vagas grudados no computador, e, consequentemente, vêm perdendo a capacidade de se comunicarem pessoalmente. Acabam se especializando na comunicação virtual e é tudo o que sabem fazer. Conheço adolescentes que, num dia de festa de família, não são capazes de trocar uma palavra com seus primos, tios ou avós, nem mesmo com seus pais. Quando muito, conseguem responder uma ou duas perguntas e logo dão um jeito de sair de fininho, para voltar para o seu mundo cibernético.

Não estou aqui querendo julgar ninguém, muito menos criticar a tecnologia que tanto ajuda na praticidade do nosso dia a dia. Mas pretendo mostrar que seus dias de férias podem ser mais bem aproveitados do que simplesmente serem gastos navegando na internet. Mas, e daí, se o que eu gosto de fazer é dormir e ficar no computador? Nenhum problema, desde que você tenha a consciência de que as suas escolhas de hoje refletirão em quem você será amanhã.

Perceba que você poderia fazer um montão de coisas legais e divertidas, como passear, visitar seus avós, jogar bola, aprender lendo um bom livro, ver um filme junto com sua família, organizar o seu espaço, como arrumar a bagunça do seu quarto, seus armários, tirar de lá um montão de coisas às quais você nem dá mais importância e doar para pessoas que precisam mais do que você.

Com tudo isso, você com certeza daria mais sentido às suas férias, à sua vida e, ao final do dia, não teria aquela terrível sensação de não ter feito nada de bom e o constante pensamento: “Ai que chato, não tem nada pra fazer nas férias!”. Diz a famosa frase: “a vida é uma questão de escolha”. E eu complementaria: suas férias também!

Andréa Taisa de Moura Camargos
Comunidade Canção Nova
blog.cancaonova.com/bemdahora

Promessas aos que recitam o Santo Rosário

A devoção do rosário é preciosa e nos traz muitos benefícios e bênçãos:

* Proteção especial na vida
* Morte feliz
* Salvação eterna de sua alma
* Não morrerá sem os sacramentos
* Não morrerá flagelado pela pobreza
* Tudo obterá por meio do Rosário
* A devoção do Rosário será sinal certo de salvação
* Os que rezarem o Rosário serão libertos do purgatório no dia de sua morte
* Terão grande glória no Céu
* Aos que propagarem o Rosário, Maria promete ajudar em todas as necessidades.
* Os pecadores serão perdoados.
* As almas áridas serão restauradas.
* Aqueles que estão acorrentados terão suas correntes rompidas.
* Aqueles que choram encontrarão felicidade.
* Aqueles que são tentados encontrarão paz.
* O pobre encontrará ajuda.
* Os religiosos serão corretos.
* Aqueles que são ignorantes serão instruídos.
* O ardente aprenderá a superar o orgulho.
* Os defuntos (as almas santas do purgatório) terão alívio em suas penas do sufrágio.

Benefícios da Oração do Rosário
* Gradualmente nos dá uma perfeita consciência de Jesus.
* Purifica nossas almas, lava o pecado.
* Dá-nos vitória sobre todos nossos inimigos.
* Torna-nos fácil a prática das virtudes.
* Faz arder em nós o amor do Senhor.
* Enriquece-nos de graças e méritos.
* Provém-nos o que é necessário para pagar todos os nossos débitos a Deus e aos irmãos; e, finalmente, obtém de Deus, todos os tipos de graças para nós.

Promessas de Maria Santíssima aos devotos do Rosário
* A todos aqueles que recitarem o meu Rosário promete a minha especialíssima proteção.
* Quem perseverar na reza do meu Rosário, receberá graças potentíssimas.
* O Rosário será uma arma potentíssima contra o inferno, destruirá os vícios, dissipará o pecado e derrubará as heresias.
* O Rosário fará reflorir as virtudes, as boas obras e obterá às almas as mais abundantes a Misericórdias de Deus.
* Quem confiar-se a Mim, com o Rosário, não será nunca oprimido pelas adversidades.
* Quem quer que recite devotadamente o Santo Rosário, com a meditação dos Mistérios, se converterá se pecador, crescerá em graça se justo e será feito digno da vida eterna.
* Os devotos do Meu Rosário na hora da morte, não morrerão sem sacramentos.
* Aqueles que rezam o Meu Rosário encontrarão, durante sua vida e na hora de sua morte, a luz de Deus e a plenitude das suas graças e participarão aos méritos dos abençoados no Paraíso.
* Eu libertarei, todos os dias, do Purgatório, as almas devotas do Meu Rosário.
* Os verdadeiros filhos do Meu Rosário, gozarão de uma grande alegria no Céu.
* Aquilo que se pedir com o Rosário se obterá.
* Aqueles que propagarem o Meu Rosário serão por mim socorridos em todas as suas necessidades.
* Eu consegui do Meu Filho que todos os devotos do Rosário tenham, por irmãos em sua vida e na hora de sua morte, os Santos do Céu.
* Aqueles que recitarem o Meu Rosário fielmente serão todos filhos meus amaríssimos, irmãos e irmãs de Jesus.
* A devoção do Santo Rosário é um grande sinal de predestinação.

"O Rosário, lentamente recitado e meditado - em família, em comunidade, pessoalmente, vos fará penetrar, pouco a pouco, nos sentimentos de Jesus Cristo e de sua Mãe, evocando todos os acontecimentos que são a chave de nossa salvação”. (João Paulo II)

“Quando se recita o Rosário revivem-se os momentos importantes e significativos da história da salvação; percorrem-se as várias etapas da missão de Cristo. Com Maria orienta-se o coração para o mistério de Jesus. Coloca-se Cristo no centro da nossa vida, do nosso tempo, das nossas cidades, mediante a contemplação e a meditação dos seus santos mistérios de alegria, de luz, de dor e de gloria”. (Papa Bento XVI)

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

As bênçãos e os benefícios do Rosário

Conforme as palavras do Santo Padre João Paulo II: O Rosário é a oração para este mundo. Para salvação das pessoas, para a Transformação das famílias. Para a mudança da nossa sociedade e para que o mundo seja salvo. É a oração dos simples, é a oração dos sábios, é a oração dos pobres. É a oração de todos!

É uma Maravilhosa Terapia: Se você vive cansado, se você está com insônia, se procura auxílio nos calmantes, tente rezar o Rosário(ou o Terço). Ele não é tóxico e produz um efeito maravilhoso. O Rosário descontrai, gera confiança, acalma as tensões, dá ânimo e motivação para o trabalho, além da alegria, paciência e tolerância. Nos livra dos pensamentos negativos. É fonte de bênçãos e de graças. Tente rezá-lo e você mesmo descobrirá.

É uma Oração Simples e Profunda: Até as crianças podem rezar o Rosário e colher seus frutos. É uma oração simples. Parece que surgiu no meio do povo mais humilde. Mas mesmo os grandes místicos perceberam nesta oração uma fonte inesgotável de benefícios espirituais. O Rosário é uma oração profunda.

É uma Escola de Oração: Precisamos aprender a rezar. Muitas pessoas não sabem como se achegar a Deus. O Terço será uma verdadeira e grande Escola. Ele fortifica a nossa fé, apresenta-nos Maria como Mediadora, dá-nos lições de penitência, faz retornar os dissidentes.

É uma Oração Atual: Cada dia se fala de meditação. Nosso mundo agitado está começando a dar sinais de cansaço. Cresce o interesse pelos métodos orientais de oração. O Rosário é de inspiração oriental....E é cristão. Por que não ensiná-lo às novas gerações?

É uma Oração Libertadora: O Rosário liberta porque nos põe em íntimo diálogo com o Libertador (Jesus). Maria canta: “Derruba os poderosos de seus tronos e eleva os humildes” (Lc 1,52.53). Entre um mistério e outro repetimos: “Jesus, socorrei principalmente os que mais precisarem”. É a opção preferencial pelos pobres presente no terço. A oração do Terço(ou Rosário) nos livra dos pensamentos negativos. Nos dá equilíbrio em todas as situações do nosso dia a dia.

É uma Oração Popular: Na cidade ou no campo – religiosos, leigos, bispos, padres, até o Papa, todos têm uma simpatia especial pelo Rosário(ou o Terço). Não é a oração oficial da Igreja. Mas sempre foi rezado por toda a Igreja, principalmente pelo povo simples que encontra nele uma maneira prática de estar com Deus.

É uma oração que traz a paz e a união para as famílias: O Rosário sempre foi oração querida das famílias e muito favoreceu sua união e seu crescimento. Sua oração torna-se motivo e oportunidade de a família encontrar-se, no corre-corre da vida e com o pouco tempo que dispõe de estar junto tomado pelas imagens da televisão. "Retomar a recitação do Rosário em família significa inserir na vida diária imagens bem diferentes - as do mistério que salva: a imagem do Redentor, a imagem de sua Mãe Santíssima. A família, que reza unida o Rosário, reproduz em certa medida o clima da casa de Nazaré: põe-se Jesus no centro, partilha-se com Ele alegrias e sofrimentos, colocam-se em suas mãos necessidades e projetos, e d'Ele se recebe a esperança e a força para o caminho" (RMV, 41). Rezando o Rosário pelos filhos e com eles, os pais estarão apresentando as etapas de crescimento de Jesus, desde a encarnação até a ressurreição como seu ideal de vida. Ao mesmo tempo, estarão realizando a catequese da oração.

É uma Oração Cinematográfica: Enquanto repetimos as palavras, a imaginação vai criando em nossa mente o filme da vida de Cristo. Este modo de rezar é conhecido por “contemplação”.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Como rezar o Santo Terço?

Para recitar o Rosário com verdadeiro proveito deve-se estar em estado de graça ou pelo menos ter a firme resolução de renunciar o pecado mortal. O Santo Rosário nos permite percorrer os grandes momentos da obra salvífica de Cristo, acompanhados por nossa Mãe Maria, de quem tomamos o exemplo de “guardar todas estas coisas no coração”. Além de ter como centro os Mistérios de Cristo, em conexão com a Trindade Santa e a vida de Nossa Senhora, o Rosário torna presentes as circunstâncias de nossa existência: alegrias, esperanças, angústias, inspirações, bem como dores e decepções. O Rosário é “composto de quatro blocos de Mistérios, conforme o acréscimo, feito pelo Papa João Paulo II, com a edição da Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae”.

Como rezar?

Oferecimento do terço:
Divino Jesus, nós Vos oferecemos este terço que vamos rezar, meditando nos mistérios da nossa redenção. Concedei-nos, por intercessão da Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, as virtudes que nos são necessárias para bem rezá-lo e a graça de ganharmos as indulgências desta santa devoção. Oferecemos, particularmente, em desagravo dos pecados cometidos contra o Sagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria, pela paz no mundo, pela conversão dos pecadores,pelas almas do purgatório, pelas intenções do Santo Padre nosso vigário, pela santificação das famílias, pelas missões, pêlos doentes, pelos agonizantes, pôr aqueles que pediram nossas intenções particulares, pelo Brasil e pelo mundo inteiro.

 

1 - Segurando o Crucifixo, fazer o Sinal da Cruz: Em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo.
Amém.
2 - Em seguida, ainda segurando a cruz, rezar o Credo.
3 - Na primeira conta grande, recitar um Pai Nosso.
4 - Em cada uma das três contas pequenas, recitar uma Ave Maria. (em honra à Santíssima Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo)
5 - Recitar um Glória antes da seguinte conta grande.
6 - Anunciar o primeiro Mistério do Rosário do dia e recitar um Pai Nosso na seguinte conta grande.
7 - Em cada uma das dez seguintes contas pequenas (uma dezena) recitar um Ave Maria enquanto se faz uma reflexão sobre o mistério.
8 - Recitar um Glória depois das dez Ave Maria. Também se pode rezar a oração ensinada por Nossa Senhora, quando de sua aparição em Fátima. (Óh! meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno. Levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente as que mais precisarem, da Vossa misericórdia Senhor Jesus. Abençoai o Santo Padre o Papa, os seus sacerdotes e toda a Santa Igreja. Abençoai as nossas famílias, aumentai a nossa fé e dai-nos a Vossa Paz)
9 - Cada uma das seguintes dezenas é recitada da mesma forma: anunciando o correspondente mistério, recitando um Pai Nosso, dez Ave Maria e um Glória enquanto se medita o mistério.
10 - Ao se terminar o quinto mistério o Rosário costuma ser concluído com a oração da Salve Rainha.

OS MISTÉRIOS DO SANTO ROSÁRIO

Mistérios gozosos (segunda-feira e sábado)
1º - O anjo Gabriel anuncia que Maria será a Mãe do Filho de Deus.(Lc 1,26-38)
2º - Maria visita sua prima Isabel. (Lc 1,39-56)
3º - Nascimento de Jesus em uma gruta, em Belém (Lc 2,1-21)
4º - Apresentação do Menino Jesus no templo (Lc 2,22-40)
5º - Encontro de Jesus no templo entre os doutores da lei (Lc 2,41-52)

Mistérios dolorosos (terça-feira e sexta-feira)
1º - Agonia mortal de Jesus no horto das Oliveiras (Mt 26,36-46)
2º - Flagelação de Jesus atado à coluna (Mt 27,11-26)
3º - Coroação de espinhos de Jesus pôr seus algozes (Mt 27,27-31)
4º - Subida dolorosa de Jesus carregando a Cruz até o Calvário (Jo 19,17-24)
5º - Crucificação e Morte de Jesus (Jo 19,25-37)

Mistérios gloriosos (quarta-feira e domingo)
1º - Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo (Jo 20,1-18)
2º - Ascensão gloriosa de Jesus Cristo ao céu (At 1,4-11)
3º - Descida do Espírito Santo sobre os apóstolos (At 2, 1-13)
4º - Assunção gloriosa de Nossa Senhora ao céu (Sl 44,11-18)
5º - Coroação de Nossa Senhora no céu (Ap 12,1-4)

Mistérios luminosos (quinta-feira)
1º - O Batismo de Jesus no rio Jordão (Mt 3,13-17)
2º - A sua auto-revelação nas bodas de Caná (Jo 12,1-12)
3º - Jesus anuncia o Reino de Deus com o convite à conversão
(Mc 1,15 * Mc 2,3-13 * Lc 7,47-48 * Jo 20, 22-23)
4º - A Transfiguração de Jesus no monte Tabor (Lc 9,28-36)
5º - A instituição da Eucaristia, expressão sacramental do mistério pascal (Jo 13,1-20)

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

O que a Bíblia fala sobre a oração do Rosário?

É uma Oração Bíblica: O Pai Nosso é a oração que Jesus nos ensinou. A Ave-Maria na primeira parte, é a saudação que lemos no Evangelho àquela que seria escolhida para ser a Mãe de Deus (Lc1,28.42). O Rosário (ou Terço) repete as palavras do Evangelho. Quando rezamos, realizamos a profecia de Maria no Magnificat: “Todas as gerações me chamarão de bendita” (Lc 1,48). Bendita sois vós entre as mulheres....

Cristo está no Centro do Rosário (e do Terço): Para Cristo se dirigem e dele decorrem todos os acontecimentos da nossa salvação. Ele nasce. Ele cresce. Anuncia o Reino. Realiza a vontade do Pai. Sofre a Paixão. Vence a morte. Vive.São os mistérios da vida de Jesus. São os mistérios do Terço (ou do Rosário).

O "Glória", por nos falar da doxologia trinitária, é o apogeu da contemplação. Ele é posto em grande evidência no Rosário(ou no Terço). Na medida em que a meditação do mistério tive sido -de Ave Maria em Ave Maria - atenta, profunda, animada pelo amor de Cristo e por Maria, a glorificação trinitária de cada dezena, em vez de reduzir-se a uma rápida conclusão, adquirirá o seu justo tom contemplativo, quase elevando o espírito à altura do Paraíso e fazendo-nos reviver de certo modo a experiência do Tabor, antecipação da contemplação futura: « Que bom é estarmos aqui! » (Lc 9, 33)."(RVM34)

A jaculatória final varia segundo os costumes. Sem diminuir em nada o valor de tais invocações, parece oportuno assinalar que a contemplação dos mistérios poderá manifestar melhor toda a sua fecundidade, se tivermos o cuidado de terminar cada um dos mistérios com uma oração para obter os frutos específicos da meditação desse mistério. (...) Uma tal oração conclusiva poderá gozar, como acontece já, de uma legítima variedade na sua inspiração. Assim, o Rosário adquirirá uma fisionomia mais adaptada às diferentes tradições espirituais e às várias comunidades cristãs. “(RVM35)”.

A recitação termina com a oração pelas intenções do Papa, para estender o olhar de quem reza ao amplo horizonte das necessidades eclesiais. Foi precisamente para encorajar esta perspectiva eclesial do Rosário que a Igreja quis enriquecê-lo com indulgências sagradas para quem o recitar com as devidas disposições.

O centro do Rosário(ou do Terço) é Cristo crucificado. O Rosário é uma oração amorosa e profunda, devoção querida da piedade popular, que nos mostra ser uma oração Bíblica, pois é cristológica, uma espécie de compêndio do Evangelho, que concentra a profundidade de toda a mensagem de Cristo. No Rosário ecoa a oração de Maria. Com ele, o povo cristão frequenta a escola de Maria para introduzir-se na contemplação do rosto de Cristo e na experiência do seu amor infinito.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Qual a origem da devoção ao Rosário?

Não há uma data precisa sobre a origem do Rosário. Em linhas gerais, remonta já os primeiros séculos da Igreja primitiva e surge aproximadamente no ano 800 à sombra dos mosteiros, como Saltério dos leigos. Dado que os monges rezavam os salmos (150), os leigos, que em sua maioria não sabiam ler, aprenderam a rezar 150 Pai Nossos. Com o passar do tempo, se formaram outros três saltérios com 150 Ave Marias, 150 louvores em honra a Jesus e 150 louvores em honra a Maria.

No ano 1365 fez-se uma combinação dos quatro saltérios, dividindo as 150 Ave Marias em 15 dezenas e colocando um Pai nosso no início de cada uma delas. Em 1500 ficou estabelecido, para cada dezena a meditação de um episódio da vida de Jesus ou Maria, e assim surgiu o Rosário de quinze mistérios. E o nome “terço” popularizou-se por representar, como o nome diz, a terça parte do total das 150 ave-marias, ou propriamente do Rosário.

Vale lembrar que, a segunda parte da Ave-Maria (”Santa Maria, Mãe de Deus”), foi introduzida na oração por ocasião da vitória sobre a heresia nestoriana, deflagrada no ano de 429. O bispo Nestório, Patriarca de Constantinopla, afirmava ser Maria mãe de Jesus e não Mãe de Deus. O episódio tomou feições tão sérias que culminou no Concílio de Éfeso convocado pelo Papa Celestino I. Sob a presidência de São Cirilo (Patricarca de Alexandria), a heresia foi condenada e Nestório, recusando a aceitar a decisão do conselho, acabou sendo excomungado.

Conta-se que no dia do encerramento do Concílio, onde os Padres Conciliares exaltaram as virtudes e as prerrogativas especiais da VIRGEM MARIA, o Santo Padre Celestino ajoelhou-se diante da assembleia e saudou Nossa Senhora, dizendo: “SANTA MARIA, MÃE DE DEUS, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.” Na continuidade dos anos, esta saudação foi unida àquela que o Arcanjo Gabriel fez a Maria, conforme o Evangelho de Jesus segundo São Lucas 1,26-38: “Ave cheia de graça, o Senhor está contigo!” e também, a outra saudação que Isabel fez a Maria, para auxiliá-la durante os últimos três meses de sua gravidez: “Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre.” (Lucas1, 42) Estas três saudações deram origem a AVE MARIA.

A difusão e posterior expansão do Rosário a Igreja atribui a São Domingos de Gusmão (século XII), conhecido como o “Apóstolo do Rosário”, cuja devoção propagou aos católicos como arma contra o pecado e contra a heresia albigense, que assolava Toulose (França).

O terço que consiste em 50 Ave-Marias intercaladas por 10 Pai-Nossos se mantém desde o pontificado do Papa Pio V (1566-1572), que deu a forma definitiva ao terço que conhecemos hoje (O Papa era religioso da Ordem de São Domingos). Quanto às meditações, ressaltamos novamente, que até o ano de 2002, cada Rosário, que era composto de três terços (150 Ave- Marias) passou a ser composto de quatro terços (portanto, 200 Ave-Marias no total). Foi quando o Papa João Paulo II inseriu aos mistérios existentes (gozosos, dolorosos e gloriosos), os mistérios “luminosos” que retratam a vida pública de Jesus.

A palavra Rosário significa ‘Coroa de Rosas’. A Virgem Maria revelou a muitas pessoas que cada vez que rezam uma Ave Maria lhe é entregue uma rosa e por cada Rosário completo lhe é entregue uma coroa de rosas. A rosa é a rainha das flores, sendo assim o Rosário é a rosa de todas as devoções e, portanto, a mais importante.

O Santo Rosário é considerado a oração perfeita porque junto com ele está a majestosa história de nossa salvação. Com o rosário, meditamos os mistérios de gozo, de dor, de luz e de glória de Jesus e Maria. É uma oração simples e humilde como Maria.

É uma oração que podemos fazer com ela, a Mãe de Deus. Com o Ave Maria a convidamos a rezar por nós. A Virgem sempre nos dá o que pedimos. Ela une sua oração à nossa. Portanto, esta é mais poderosa, porque Jesus recebe o que Maria pede. Jesus nunca diz não ao que sua Mãe lhe pede. Em cada uma de suas aparições, nos convida a rezar o Rosário como uma arma poderosa contra o maligno, para nos trazer a verdadeira paz.

O Rosário ou o Terço é composto de dois elementos: oração mental e oração verbal.

No Santo Rosário a oração mental é a meditação sobre os principais mistérios ou episódios da vida, morte e glória de Jesus Cristo e de sua Santíssima Mãe. A oração verbal consiste em recitar quinze dezenas (Rosário completo) ou cinco dezenas da Ave Maria, cada dezena iniciada por um Pai Nosso, enquanto meditamos sobre os mistérios do Rosário.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Procureis ocasiões de santidade

ENTRE SENTINELASOlá sentinela da manhã,

Dia desses eu estava ouvindo uma pregação um pouco antiga do Monsenhor Jonas Abib cujo título é “Abandoneis as ocasiões de pecado” (que você pode ouvir ou baixar clicando aqui). Como o próprio título já nos antecipa, Pe. Jonas nos exortava sobre a necessidade de fugirmos daquelas situações que não são propriamente pecaminosas, mas que muito provavelmente nos levariam a desobedecer a Deus.

Pois é, amigo sentinela, esse mundo é tão cheio dessas situações, não é verdade? As festas, as conversas maliciosas, sexualidade e afetividade desregrada… Não só parece, essas coisas estão ao nosso redor e por vezes sufocam os nossos ideais cristãos.

Mas com esse texto quero levar até você, meu companheiro de luta, uma proposta bastante interessante que o Mons. Jonas nos faz: encher esse mundo de ocasiões de santidade. Isso mesmo, ocasiões de santidade.

Faz parte da nossa missão de sentinelas fugir (e ajudar os outros a fugirem também) das ocasiões de pecado. Mas… e aí? Pra onde fugir? Pra ocasiões de santidade, ora. E que ocasiões são essas? Além dos nossos indispensáveis Grupos de Oração, são shows religiosos, conversas informais santas com os amigos na sua calçada, luaus, cinema com os amigos para ver um filme edificante… opções não faltam, vai do que a sua santidade mandar. Aposte em atividades que te façam desenvolver a vivência fraterna

Momentos como esses são importantes para você que está seguindo os passos de Deus, que quer ser santo de calça jeans. É muito bom encontrar com amigos que estão na mesma luta que nós, a caminhada fica menos cansativa, e a gente já consegue enxergar os benefícios aqui na Terra.

Mas atenção! Cuidado pra não se fechar ao mundo ao seu redor. Nós somos do céu, mas estamos no mundo. De nada adiantaria fazermos um clubinho fechado somente para aqueles que “são santos” (afinal, ainda não o somos, estamos na caminhada). Temos uma missão, lembra? Semear a cultura de Pentecostes, levar a Boa Nova àqueles que ainda não ouviram-na.

Então faça dessas suas ocasiões de santidade, ocasiões de santidade também para aqueles que ainda não conseguiram abandonar as ocasiões de pecado. Pra muitos abandonar só por abandonar não é fator muito impactante, muitos precisam conhecer uma realidade diferente daquelas nas quais eles estão. Ocasiões onde o amor de Deus possa ser sentido, um amor de verdade.

E uma dica, não há nada que te obrigue a falar apenas de Deus nas suas ocasiões de santidade, para isso já tem o Grupo de Oração, a Santa Missa e as suas orações. Tais ocasiões são bastante proveitosas se tivermos em mente que “vale tudo, só não vale desobedecer a Deus”, você vai ver que opções são muitas e vai chegar a conclusão de que aquelas ocasiões de pecado só ocorriam pelo fato de você ainda não conhecer a graça de viver em Deus.

E aproveite pra comentar por aqui o que você pensa em fazer pra abandonar as ocasiões de pecado e dizer sim às ocasiões de santidade.

P.S: que tal vir experimentar uma ocasião de santidade no nosso primeiro Luau com Cristo? Clique aqui e saiba mais.

Paz e fogo!

por Isaak Felipe

Luau de Cristo ocorrerá neste sábado (14)

Lua cheia, às margens da água, violão, comida… ocasião perfeita para um bom luau, concorda? O Ministério Jovem da RCC também concorda, e é por isso que estará promovendo neste fim de semana (14/01) o primeiro Luau de Cristo.

luau de cristo

Uma noite pra rezar, cantar, contemplar a natureza. Estar junto de Deus, do irmão e de conhecer gente nova: assim será o nosso Luau. Venha viver essa experiência inédita na sua vida.

Ficou interessado em participar? Então é bem simples: sairemos na noite do sábado, às 9h da noite do Centro Paroquial, depois do Grupo de Oração Filhos do Céu. Pedimos uma pequena contribuição no valor de R$ 3,00 para as despesas com locomoção e alimentação.

ATENÇÃO:
As inscrições serão até a próxima quarta-feira, 11/01, com qualquer membro do Ministério Jovem e são limitadas.

Para mais informações, entre em contato pelo telefone 9666-7335, ou deixe um comentário nesta postagem.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Como deve ser a Oração Pessoal?

A oração pessoal deve antes de tudo ser pessoal, onde cada pessoa encontrará seu próprio caminho na oração sendo guiado pelo Espírito Santo e norteado pelos ensinamentos profundos que a Igreja nos deixou em sua riquíssima Tradição, a partir das diversas experiências dos grandes santos e santas da Igreja. Cada um deve encontrar seu método de Oração Pessoal, e a forma de oração pelo qual vai se identificando, passando pela Oração Vocal, de louvor e de intercessão, adentrando nos esquemas místicos da meditação e da contemplação, como oração mental, e perpassando pela Lectio Divina, leitura orante da Bíblia, ou pela Oração dos Salmos, Liturgia das Horas, ou ainda pela Oração do Santo Terço, como devoção mariana, ou passando pela invocação do nome de Jesus, mediante diversas jaculatórias, sendo que todas elas devem convergir para o sentido último de nossa vida: a adoração.

O importante é encontrar-se naquela forma de oração que mais o identifica, com sua realidade existencial e com seus desejos espirituais de encontro com Deus; assim como deve se priorizar antes de tudo a fidelidade à oração pessoal, na busca da união com Deus, e não simplesmente de sentir a Deus, pois sentir Deus não depende de nós, isto é graça, dom gratuito, que Deus concede a quem quiser e quando desejar, mas o buscar a Deus, isso depende da minha vontade. “Contudo o sentir Deus não é ainda o principal na vida espiritual. O principal está em querer a Deus por si mesmo. Pois o sentir Deus não está sempre ao nosso alcance, enquanto o querer Deus sim”.

A oração pessoal deve concretizar o pedido de Jesus: “Orai sem cessar”, em todas as circunstâncias da vida, o que equivale a dizer que todas as circunstâncias, todos os acontecimentos são meios pelos quais podemos fazê-los oração, aqui vida e oração se encontram, ambas se cruzam, a vida se faz oração, e oração se faz nossa vida. Adorar a Deus em espírito e em verdade, este é o ideal proposto por Jesus. Comentando esta passagem Monsenhor Jonas Abib ensinava que esta adoração a Deus dever ser feita no Espírito, que clama em nós Abba Pai, e em verdade, na verdade de nossa vida, com tudo aquilo que estamos passando em nossa realidade existencial e espiritual, do contrário nossa oração corre o risco de ser mentirosa.

A oração pessoal deve ser fruto do nosso amor a Deus, pois onde o não há amor tudo se torna insignificante, já nos dizia Santa Terezinha: Nada é pequeno onde o amor é grande, como também deve ser expressão de um compromisso de vida, algo de fato vital para nós, sem a qual a vida perde sentido, uma vez que sem esse comprometimento com Deus e fidelidade perseverante à oração pessoal corremos o risco de um não progredir na fé, de paralisar nosso crescimento espiritual, e assim não chegarmos à plena estatura do Cristo, como meta de toda vida cristã, segundo nos propõe São Paulo.

Pe. Luiz Fernando
Reitor do Seminário Cristo Ressuscitado – Curitiba/ PR

2012: um ano pra você dar certo!

O ano começou e, com ele, surgem ideias, planos e promessas. É preciso ter metas. Mas, fico me perguntando: “o que serei neste ano que não fui no ano passado? Acredito que minha vida precisa de uma revolução”.

Muitos propuseram revoluções. Alguns literalmente mudaram épocas e gerações. Mas só uma revolução foi capaz de mudar o homem e dar sentido à vida e, dessa forma, influenciar e mudar o mundo. Falo da revolução chamada Jesus. Ele fez revolução com a vida, Ele é a própria revolução.

Em tempos em que parece que Deus está com a “ficha suja” com muita gente, é preciso fazer uma revolução. Afinal, Deus nunca sofreu tantas acusações como tem hoje. Pense comigo: quantas pessoas não fazem tudo certinho a fim de conseguir algo de Deus? E quando Deus não dá o que a pessoa quer, é logo acusado por elas. Ele é literalmente jogado no paredão!

E Deus leva a culpa pelas escolhas que o homem faz e ainda sai “mal na foto”.

Mas a “Revolução Jesus” coloca o homem em seu lugar de filho. Filho que tem um pai que cuida e sabe a hora de dizer sim e não. Ele é um ótimo pedagogo e educa na liberdade.

A “Revolução Jesus” revela o homem ao homem. A “Revolução Jesus” tira você da “zona de conforto” e lhe propõe a felicidade, a santidade. Nada de ficar vendo a vida passar.

VOCÊ NASCEU PARA DAR CERTO!

Neste ano, proponha-se a revolucionar sua vida. Tenha promessas, ideias e planos. Mas, acima de tudo, deixe Deus ser Deus!

Adriano Gonçalves
Comunidade Canção Nova
blog.cancaonova.com/revolucaojesus

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Grupo de Oração, Tesouro de Deus

Por que temos tanta certeza de que os nossos Grupos de Oração são tão valiosos? O que nos fez chegar a essa conclusão? O próprio Senhor! E é Ele que pede que não nos afastemos de “Seu Coração”, ou seja, de nosso Grupo.

Temos usado a expressão “Grupo de Oração, Tesouro de Deus” e, provavelmente, muitos pensam que este termo partiu de nós. A verdade, porém, é que foi um termo inspirado por Deus. Estávamos, a então constituída equipe da Comissão de Formação, reunidos na casa de Marta e Maria, no Rio de Janeiro, para pensar e discernir a formação de coordenadores. Já tínhamos a primeira parte pronta, aquela que fala da Renovação como uma graça para a Igreja, mas precisávamos dar continuidade. Durante um momento de oração e escuta diante do Santíssimo, o Senhor começou a nos falar em profecias e visualizações sobre a sua obra de amor no meio de nós através dos nossos Grupos de Oração e apareceu, como palavra inspirada, confirmada por visualização, a expressão “Grupo de Oração, Tesouro de Deus”.

Podemos dizer que a raiz da Renovação está no Grupo de Oração. Aqueles professores da Universidade de Duquesne, nos Estados Unidos, que começaram a ler o livro dos Atos dos Apóstolos e desejaram a experiência dos primeiros cristãos, ficaram sabendo que um grupo de pessoas se reunia para rezar na casa de uma senhora chamada Flo Dodge.  Ouviram dizer que lá o Espírito Santo se manifestava com sinais e prodígios como nos primeiros tempos da Igreja cristã. Foram conferir e receberam o batismo no Espírito Santo. Esses mesmos professores organizaram, em fevereiro de 1967, o retiro de final de semana em Duquesne, onde o Espírito Santo se derramou com poder, como em Pentecostes, sobre os participantes que estavam reunidos na capela, no andar superior da casa. Foi aí que começou a Renovação Carismática Católica. Quando saíram de lá, cheios do Espírito, eles sentiram necessidade de estarem juntos para louvar ao Senhor, ler a Palavra, partilhar suas novas e maravilhosas experiências. Passaram a se reunir semanalmente e logo as reuniões de oração multiplicaram-se, alastraram-se como fogo por outras universidades e, dentro de pouco tempo, no mundo todo.

O Grupo de Oração nos descortina a beleza das pessoas que são acolhidas por Deus, a beleza da misericórdia de Deus que se derrama sobre todos os que acreditam e se convertem. O que nos faz chegar à grandeza da misericórdia de Deus é reconhecer “Jesus Cristo é o Senhor”. O Grupo de Oração é o lugar de encontro com Jesus. O nome de Jesus abre portas. A Renovação Carismática Católica, através dos seus Grupos, é uma porta aberta da Igreja, é a porta do acolhimento.  No Encontro Nacional de Formação para Coordenadores e Ministérios (ENF) de 2007, ocasião dos 40 anos da Renovação, recebemos uma palavra que nos fala exatamente isso: “Eis o que diz o Santo e o Verdadeiro, aquele que tem a chave de Davi – que abre e ninguém pode fechar; que fecha e ninguém pode abrir. Conheço as tuas obras: eu pus diante de ti uma porta aberta, que ninguém pode fechar; porque, apesar de tua fraqueza, guardaste a minha palavra e não renegaste o meu nome” (Ap 3,7-8). 
A interpretação da palavra foi a de que os Grupos de Oração são esta porta permanentemente aberta e que nós, os participantes e servos dos Grupos, somos colunas de Deus para sustentar os fracos e abatidos. No Grupo de Oração o Senhor nos fortalece, nos restaura e nos torna imbatíveis na luta contra o mal para que possamos ser  verdadeiramente esse sustentáculo para os outros.

Em julho do mesmo ano, depois de um momento de intercessão pelos grupos, Deus nos falou em profecia confirmando a palavra que nos havia sido dada anteriormente: “Escutai povo meu, escutai meus filhos e filhas, se vocês se deixassem conduzir pela sabedoria do meu Espírito jamais se afastariam de seus Grupos de Oração. Pois Eu quero vos revelar, com toda a minha autoridade, com toda a minha misericórdia, que o Grupo de Oração, o qual muitos de vocês têm abandonado ou desvalorizado, é nada mais que o meu coração e é no meu coração que cada um de vocês está gravado eternamente. Por isso, Eu mesmo, o Senhor, vos declaro e vos peço: retornem depressa ao meu coração, as portas se abrem. Entrem, entrem e sejam profetas no meu coração. O meu coração se abre para vocês, e o meu coração é cada Grupo de Oração espalhado nesta nação.”

Naquele mesmo Congresso, durante um momento de oração, recebemos a seguinte visualização: havia um mapa do Brasil todo preto, mas durante a oração luzes foram se acendendo como velas. De repente, clarearam o mapa inteiro e transformaram as trevas em luz. A interpretação veio logo em seguida: essas luzes acesas são os Grupos de Oração que se multiplicavam de norte a sul para iluminar o Brasil, levar o evangelho ao nosso povo e incendiar a nossa nação com o fogo de Pentecostes.

Se analisarmos a nossa própria história, veremos que um dia alguém nos convidou para um Grupo de Oração e lá o nosso cansaço, a nossa acomodação, a nossa desilusão transformaram-se em esperança, fé expectante, alegria interior. Nossa vida foi tocada pela bondade, pelo amor, pela misericórdia de Deus. Nós tivemos um encontro pessoal com Jesus Cristo. Depois desse dia, a nossa vida nunca mais foi a mesma, porque, ao encontrar Jesus “o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”( cfRm 5, 5).

Que o sentimento de nossa alma seja o mesmo dos primeiros apóstolos: “Não podemos deixar de falar das coisa que vimos e ouvimos” (At 4,20). Que o nosso desejo seja trazer homens, mulheres, jovens e crianças para os nossos Grupos de Oração a fim de que eles sejam batizados no Espírito Santo como nós fomos e possam fazer parte dessa imensa fileira de pessoas que desejam implantar a Cultura de Pentecostes na cultura da morte que predomina no nosso mundo.

Outro termo que temos usado é ”Grupo de Oração, Estratégia de Deus”, estratégia para atrair-nos ao seu coração misericordioso no qual nós somos curados, restaurados e então transformados em discípulos e missionários seus para testemunhar ao mundo que sofre.

No ENF do ano de 2011, foi lançado um desafio aos Grupos de Oração do Brasil: que os Grupos de Oração se tornem missionários, que saiam para as praças e visitem as casas falando do amor de Deus, da salvação em Jesus Cristo e da santificação no Espírito Santo, a fim de que todos se conscientizem da sua dignidade de filhos e filhas de Deus, e passem a viver à altura de sua condição. Este apelo encontra eco numa outra profecia sobre Grupo de Oração que vem com promessas de grande poder do Espírito para todos nós: “Eu derramo sobre vós uma nova unção do meu Espírito. Eu vos liberto do desânimo, da frieza espiritual e lhes dou uma nova unção do meu Espírito. Eu faço arder em vossos corações o espírito missionário. Eu renovo a alegria e o amor em vossos Grupos de Oração e vos chamo para um tempo novo. Portas de missão se abrirão para vós, desde que sejais dóceis ao meu Espírito. Eu inauguro no meio de vós, a partir deste momento, um tempo novo, um tempo de bênçãos, um tempo de graça, onde o meu Espírito se moverá com poder para renovar a face da terra.”

Assim seja!

por Maria Beatriz Spier Vargas
Secretária-Geral do Conselho Nacional da RCCBRASIL

Quais os prejuízos quando não se tem a oração pessoal?

Por conseguinte aquele que não reza se priva de todos esses benefícios espirituais e humanos. Uma vez que a oração nos leva a um encontro com Deus e consigo mesmo, quem não encontra a Deus também acaba por perder a si mesmo. A falta de oração deixa o coração fragilizado diante das angústias e problemas da vida. No livro de Jó temos um testemunho de como a oração é fonte de fortaleza da alma e de firmeza da fé diante das diversas tragédias que podem acontecer nesta vida.

Sem a oração o homem perde o sentido maior desta vida, e de sua transcendência na direção de Deus. Uma vez que orar é sempre possível, aquele que não reza perde a oportunidade de direcionar sua vida e os acontecimentos a sua volta, mesmo os mais trágicos, para Deus e nEle viver a dimensão da aceitação, mesmo quando não é possível compreende-los. A falta de oração enfraquece a alma humana, e a pessoa que deixa de rezar se torna mais sujeita a perder o auto-domínio de si mesmo e de seus impulsos, assim quem não ora se torna mais propenso ao pecado. É muito clara a exortação do Catecismo nº. 2774: “Se não nos deixarmos levar pelo Espírito, cairemos de novo na escravidão do pecado”. Aquele que não possui uma vida de oração pessoal certamente se torna mais aberto às seduções desse mundo e às tentações do mal. Como nos diz Santo Afonso Maria de Ligório: “Quem reza certamente se salva; quem não reza certamente se condena”. E São João Crisóstomo nos ensina algo similar: “É impossível que caia em pecado o homem que reza”, o que equivale a dizer que quem não reza facilmente acabará pecando.

Pe. Luiz Fernando
Reitor do Seminário Cristo Ressuscitado – Curitiba/ PR